Documento sem título
Documento sem título
  
  
  
  
  
  
  Monarquia
Tire suas dúvidas
Símbolos
Núcleos Municipais
Uniformes Militares
  Agência Monárquica
Notícias
Artigos históricos
Artigos políticos
Agenda monárquica
Colunas
Aniversários
  Biblioteca
Documentos
Livros
Vídeos

 

 

Documento sem título



Símbolos

Bandeiras do Brasil - 1

Publicado em: 24/04/2010

Bandeira da Ordem de Cristo 
"...1320, da Ordem de Cristo primeira hasteada em solo brasileiro." A bandeira já era usada desde 1320 nas expedições ultramarinas portuguesas, sendo a Ordem uma das maiores financiadoras dessas expedições. Vale lembrar que o Infante D. Henrique, o Navegador era membro dessa ordem. A bandeira não era a portuguesa na época, era mais algo que poderíamos chamar de "insígnias navais" de Portugal. Eram hasteadas em todas as terras reclamadas pela coroa portuguesa, África, Ásia e América, reclamando também ao Cristianismo (através da Ordem de Cristo). O uso da bandeira foi logo abandonado com o sistema de Capitanias Hereditárias, pois em cada capitania usava-se o brasão do próprio donatário. E com a instalação do Governo Geral, passou-se a usar a bandeira portuguesa.



Bandeira Real sob D. Manuel I


Essa era a bandeira
oficial do Reino de Portugal durante o reinado de D. Manuel I (1495 a
1521), período durante o qual Portugal tomou posse de terras na
América, terras que viriam se tornar o Brasil. Existem relatos de que
haveria uma coroa real sobre o escudo português. Mas essa descrição com
a coroa sobre o escudo pode ser também o estandarte pessoal de D.
Manuel I, sendo a versão sem a coroa o pavilhão do reino.







Bandeira Real sob D. João III
A bandeira foi alterada pelo sucessor de D. Manuel I e se manteve sem grandes alterações (quando muito na forma da coroa) até a União Ibérica (1580 a 1640). Sob esta bandeira que se criou o Governo Geral em 1549 em Salvador.



Brasil holandês
Entre 1624 e 1661 parte da colônia portuguesa no Brasil foi tomada por holandeses. A União Ibérica cortou o acesso dos Países Baixos ao açúcar proveniente do Brasil. Os Países Baixos ocuparam então a maior região produtora de açúcar na época, o litoral do nordeste brasileiro. A região ficava sob administração direta da Companhia das Índias Meridionais. A bandeira consiste nas cores da República das Províncias Unidas (Países Baixos), com um monograma em dourado no centro. A origem do monograma é desconhecida, sendo atribuída às iniciais da companhia, em holandês (GWC), em português (CDIM) ou às iniciais do governador geral holandês João Maurício de Nassau Catzelnbogen Vianden en Dietz. Por ser da realeza européia, explicaria a coroa sobre o monograma. Mas não há fontes que comprovem quaisquer das teorias. A bandeira deixou de ser usada após a retomada portuguesa de Recife em 1654, e extinta pelo Tratado de Hague em 1661.



União Ibérica
Em 1616, sob governo do segundo rei espanhol Felipe III (D. Felipe II em Portugal) criou-se uma bandeira para Portugal, pois as elites portuguesas tentavam obter mais autonomia frente à coroa espanhola, especialmente a respeito da administração colonial do Brasil. Manteve-se esta bandeira em todos os territórios portugueses até o fim da União Ibérica (1640).



Bandeira Real sob D. João IV
Existem diferentes fontes a respeito da nova bandeira portuguesa adotada após a independência da Espanha. Outras fontes reproduzem a bandeira muito parecida com as bandeiras usadas anteriormente à anexação espanhola (como por exemplo, a bandeira sob o reinado de D. João III); Mas a grande alteração (e todas as fontes estão de acordo) é no escudo. Até antes da anexação, o escudo português era em forma ogival (a parte inferior do escudo terminava em uma ponta) e passou a ser arredondado, tal como já no escudo criado em 1616 pelo rei espanhol para territórios portugueses. A borda azul é mencionada raramente. Havia o estandarte pessoal de D. João IV, cujo fundo era todo azul.







Documento sem título

 
www.setor3consultoria.com.br
by Orbitaltec