Documento sem título
Documento sem título
  
  
  
  
  
  
  Monarquia
Tire suas dúvidas
Símbolos
Núcleos Municipais
Uniformes Militares
  Agência Monárquica
Notícias
Artigos históricos
Artigos políticos
Agenda monárquica
Colunas
Aniversários
  Biblioteca
Documentos
Livros
Vídeos

 

 

Documento sem título



Símbolos

Bandeiras do Brasil - 3

Publicado em: 23/04/2010

Reino do Brasil
Decreto de 18 de setembro de 1822:
"Hei por bem, e com parecer do meu Conselho de Estado, Determinar o seguinte: Será de ora em diante o Escudo das Armas deste Reino do Brasil, em campo verde, uma Esfera Armilar de ouro atravessada por uma Cruz da Ordem de Cristo, sendo circulada a mesma Esfera de dezenove Estrelas de prata em uma orla azul: a firmada a Coroa Real diamantina sobre o Escudo, cujos lados serão abraçados por dois ramos das plantas de Café e Tabaco, e ligados na parte inferior pelo laço da Nação.
A Bandeira Nacional será composta de um paralelogramo verde, e nele inscrito um quadrilátero romboidal cor de ouro, ficando no centro deste o Escudo das Armas do Brasil.(…)" A bandeira foi usada por pouquíssimo tempo, entre 18 de setembro até 1º de dezembro de 1822. O projeto da bandeira foi do então Conselheiro José Bonifácio de Andrada e Silva, juntamente com Jean Baptiste Debret, desenhista e pintor de grande renome no Brasil entre 1816 e 1830.



Império do Brasil
A bandeira entrou em vigor em 1º de dezembro de 1822 junto com a coroação de D. Pedro I. Manteve-se praticamente toda a antiga bandeira criada no dec. de 18 de setembro, mas a coroa sobre o escudo foi substituída por uma coroa imperial, ao invés da coroa do reino que também adornava o escudo de armas na bandeira portuguesa. A alteração se deu exatamente com a coroação de D. Pedro I em 1º de dezembro de 1822. A bandeira se manteve praticamente inalterada até o golpe militar de 15 de novembro de 1889 que acabaria por extinguir a monarquia no Brasil. Houve uma pequena alteração feita pelo imperador D. Pedro II, que adicionou uma estrela (de 19 foi para 20) refletindo a perda da província da Cisplatina (Uruguai) e a criação das províncias do Paraná (1853) e do Amazonas (inicialmente Rio Negro, em 1850) sem nenhum ato oficial.



Bandeira provisória da República do Brasil

A bandeira foi utilizada por curtos quatro dias. Existe muita controvérsia a respeito de qual foi sua origem, mas versões parecidas já haviam sido sugeridas pelo comitê central do Partido Republicano (por Quintino Bocaiúva) e pelo Centro Republicano no Rio de Janeiro (por Lopes Trovão) e bandeiras semelhantes eram usadas em manifestações a favor da causa republicana. Seu uso foi rejeitado pelo Marechal Deodoro, que era da opinião que deveria se manter a velha bandeira retirando-lhe a coroa e substituindo-a pelo Cruzeiro do Sul.



Bandeira da República do Brasil

A bandeira foi adotada em 19 de novembro de 1889 pelo governo provisório da República dos Estados Unidos do Brasil. Manteve-se, como quis o presidente interino, o Marechal Deodoro, que se mantivessem as formas da velha bandeira, substituindo o escudo pelo disco celeste com a composição das estrelas tais como elas estavam no céu às 8 horas e 30 minutos no dia 15 de novembro de 1889 da cidade do Rio de Janeiro. Sobre o disco colocou-se um faixa branca com o lema "Ordem e Progresso", retirada do lema positivista "Ordem, progresso e amor". A bandeira sofreu poucas alterações. Ganhou uma estrela a mais em 1960 (pela criação dos Estado da Guanabara, por ocasião da transferência da capital para Brasília); ganhou outra estrela em 1968 (elevação do Território do Acre em Estado - foto não exposta aqui) e em 1992 ganhou quatro estrelas, adequando-se a nova configuração de Estados no Brasil (encampamento do Estado da Guanabara pelo Rio de Janeiro, criação dos Estados do Mato Grosso do Sul, Tocantins, Rondônia, Amapá e Roraima). A bandeira atual conta com 27 estrelas (26 Estados mais o Distrito Federal).


1889 - 1960


1992 até os dias atuais


Documento sem título

 
www.setor3consultoria.com.br
by Orbitaltec