Documento sem título
Documento sem título
  
  
  
  
  
  
  Monarquia
Tire suas dúvidas
Símbolos
Núcleos Municipais
Uniformes Militares
  Agência Monárquica
Notícias
Artigos históricos
Artigos políticos
Agenda monárquica
Colunas
Aniversários
  Biblioteca
Documentos
Livros
Vídeos

 

 

Documento sem título



Notícias

"O passado é imprevisível": o novo artigo de Gastão Reis Rodrigues Pereira

Publicado em: 03/06/2013

Gastão Reis Rodrigues Pereira
Empresário e economista                                                     
gastaoreis@smart30.com.br
www.smart30.com.br

Devo o título, caro leitor, à verve de Millôr Fernandes, sempre pronto a nos surpreender. Embora associemos o imprevisível ao futuro, o passado por vezes nos prega algumas peças. A exumação dos remanescentes mortais de Dom Pedro I e suas mulheres, Dona Leopoldina e Dona Amélia, se enquadra na categoria do passado que nos deixa fora do prumo convencional. Muitos foram os achados dignos de nota nos exames a que foram submetidos os nossos imperador e imperatrizes pela historiadora e arqueóloga Valdirene do Carmo Ambiel e sua equipe multidisciplinar. Na minha avaliação, o mais importante foi aquele que joga por terra a versão do pontapé dado em Dona Leopoldina por Dom Pedro I seguido de empurrão escada abaixo que teria lhe quebrado uma das pernas. O seu último aborto seguido de sua morte só se deu mais de uma semana depois da partida de seu marido para a guerra no sul do país e seu esqueleto não revelava nenhum sinal de fratura nas pernas.

Confesso, entretanto, que o episódio me fez pensar num outro tipo de exumação a ser feita em busca daquilo que nós, brasileiros, enterramos no fundo do quintal de nossa História. Eu me refiro ao nosso arcabouço político-institucional, vigente ao longo do século XIX, ao qual nunca faltou alma e instrumentos para lidar com as crises do país. Bem diferente do atual em que FHC teve que admitir que, a despeito dos avanços, lhe falta a referida alma. Este artigo é uma busca dessa alma perdida que nos faz tanta falta.
    
Moldar instituições capazes de funcionar a contento não é tarefa fácil. A prova cabal é que países bem resolvidos em termos político-institucionais são exceções no mundo. Na verdade, é tão difícil que muitos países se contentam em copiá-las de outros, que teriam sido bem sucedidos na empreitada.  O trágico é que esse processo de transplante institucional costuma ter um alto grau de rejeição. E a química disponível para superar a rejeição está longe de ser bem sucedida, mesmo em nossos dias. 

O caso brasileiro é emblemático. Ignoramos o alerta de Cícero, o grande orador romano, que nos falava sobre “as lições do tempo e da experiência”. O desenvolvimento bem sucedido da república nos EUA induziu Rui Barbosa, amargamente arrependido depois, a copiar mal as linhas mestras da constituição americana, apostando no seu sucesso em terras tropicais, coisa que jamais ocorreu. Ao acusar o congresso da república, em 1915(!), de ter se tornado um balcão de negócios (atualíssimo, não é mesmo, caro leitor) e reconhecer que o Parlamento do Império era uma escola de estadistas, Rui dava a mão à palmatória em relação ao equívoco fatal que cometera. Chegou mesmo a se desculpar com Dom Pedro II, em Paris, em 1891: “Majestade, me perdoe, eu não sabia que a república era isso”. 

Abandonamos uma tradição de cunho parlamentarista para adotar um regime presidencialista estranho à nossa cultura e tradição. A confiança, como base do edifício institucional, deixou de ser a pedra angular. Ao longo do Segundo Reinado, a mais leve nódoa na reputação de um político fechava-lhe as portas da vida pública para sempre, como o próprio Rui reconheceu depois. Ele constatou, como testemunha ocular de duas épocas, a queda brutal da qualidade do homem público brasileiro na passagem da monarquia para a república. Pergunta: como nasceu o nosso Frankenstein institucional? 

O leitor há de convir que termos feito seis constituições após a de 1891 não é um histórico de coisa que deu certo. Como já sabemos, nosso presidencialismo tem características de cópia mal feita naquilo em que deveria ter respeitado o figurino original. Não soube nem mesmo preservar as boas práticas de nossa tradição parlamentarista. Quatro pontos resumem essa ópera bufa. O primeiro diz respeito à perda, no dia a dia, dos instrumentos de controle e prestação de contas dos atos de governo ao reunir na mesma pessoa as chefias de governo e de Estado. 

O presidente passou a ser, na nossa prática republicana canhestra, o fiscal dele mesmo. O segundo foi a tendência a rupturas institucionais, e efetiva eclosão, por inexistência de instrumentos ágeis de gerenciamento de crises com o fim do poder moderador. O terceiro, vale repetir e enfatizar, é que a confiança deixa de ser a pedra de sustentação dos governos e dos políticos. Caímos na esparrela, muito utilizada pelos políticos, de ter que comprovar na justiça acusações contra quem já perdeu fé pública. (Casos de Renan Calheiros na presidência do senado; e dos deputados condenados no mensalão José Genoíno e João Paulo Cunha e Maluf como membros da Comissão de Constituição e Justiça do Congresso Nacional.)  

Jogamos na lata do lixo o princípio de que a mulher de César tem que ser e parecer honesta. O quarto é a mistura espúria das funções legislativa e executiva na pessoa do presidente da república, que a tradição presidencialista americana soube, corretamente, manter separadas. Criamos o que poderíamos rotular de legislativo presidencialista, denominação talvez mais apropriada a quem se ajoelha diante do executivo do que a de presidencialismo de coalizão do cientista político Sérgio Abranches.

A essa altura, ficou muito clara a necessidade imperiosa de exumar as boas práticas de governo que a constituição imperial de 1824 soube moldar tão bem para preservar o respeito à res publica, ou seja, ao interesse público. A moldura político-institucional brasileira resultou nessa coisa estranha que é o profundo divórcio entre representantes e representados. Nossos políticos, com as raras e honrosas exceções de praxe, se curvam apenas para contemplar o próprio umbigo, mas não diante do interesse público. Até quando essa república sem res publica, como diria Cícero, vai abusar de nossa paciência? 



Documento sem título

 
www.setor3consultoria.com.br
by Orbitaltec