Documento sem título
Documento sem título
  
  
  
  
  
  
  Monarquia
Tire suas dúvidas
Símbolos
Núcleos Municipais
Uniformes Militares
  Agência Monárquica
Notícias
Artigos históricos
Artigos políticos
Agenda monárquica
Colunas
Aniversários
  Biblioteca
Documentos
Livros
Vídeos

 

 

Documento sem título



Notícias

Capitão Ivan Américo Gonçalves fala sobre os verdadeiros significados de 1964

Publicado em: 03/06/2013

Ivan Américo Gonçalves
Cap. Reformado, Cidadão Brasileiro e Eleitor Assíduo.
Floripa/SC
ivanag17@gmail.com


Passados exatos 49 anos da Contra-Revolução democrática de 31 de março de 1964, não se pode admitir que, em nome de uma conciliação nacional, buscada de forma unilateral, se continue a reescrever a História, impondo-se a versão dos perdedores, aqueles que lutaram de armas na mão para a implantação de uma ditadura comunista neste País, a mesma que assassinou milhões de seres humanos na União Soviética, China, Cuba, etc., hoje apresentados como paladinos da justiça, da democracia e dos direitos humanos. Intensamente orquestrada, seguindo os ensinamentos do instrumental teórico marxista-leninista, atualizado por Gramsci, a deturpação toma o  lugar do fato real, conquistando corações e mentes, sem contestação a altura. 

Muito pelo contrário, com o assentimento, fruto da apatia e da covardia moral, das lideranças civis democráticas e, principalmente, em razão do acuamento e miopia dos chefes militares, estes em verdadeiro processo de autofagia institucional, perdendo gradativamente a capacidade de influir nas grandes decisões nacionais. É uma realidade o sucateamento material das forças armadas, a interferência do judiciário, gerando o enfraquecimento dos seus pilares básicos, e os consequentes danos ao elã profissional, a sua  imagem, tradições e a sua mística, segundo a qual sempre se apresentaram e atuaram, respondendo aos anseios e aspirações do povo brasileiro, em diversas ocasiões cruciais de nossa História, como também ocorreu em 1964, em 31 de março.

 31 de Março significou, primeiramente, o alijamento de um presidente, João Goulart, incapaz, dúbio, manipulado pelos comunistas, que agravava, com sua ação e omissão deliberadas, o caos econômico e social reinante no País, a divisão, a indisciplina e a rebelião nas Forças Armadas. Como vice-presidente de Jânio Quadros, em visita à China comunista, afirmou sua intenção de estabelecer no Brasil uma república popular e que para tanto “Seria necessário contar com as praças para esmagar o quadro de oficiais reacionários.” Logo após a posse de Jango, campos de treinamento de guerrilheiros surgiram bem como foi lançada por Brizola, aliado de Jango, a Frente de Libertação Nacional, primeiro passo para a criação do Exército Popular de Libertação, de inspiração marxista.

No dia 27 de novembro de 1962, dentro de um avião, que caíra em Lima, encontraram-se,  entre os documentos do Presidente do Banco Nacional de Cuba, relatórios sobre a compra de armas para a luta armada no interior do Brasil. Segundo o próprio líder comunista Prestes, que trouxe a Jango o apoio, da União Soviética, à revolução a ser deflagrada, o presidente conduzia o País, já conturbado, para uma guerra civil, pois, estava em curso o fechamento de Congresso e a imposição das chamadas reformas de base, incentivadas e apoiadas pelos comunistas.

31 de Março significou depor Jango com o apoio, demonstrado nas ruas, de milhões de brasileiros, evitando o desastre social e libertando a nação do jugo comunista.

31 de março significou com a posse do Gen. Castelo Branco, início de período de 21 anos de crescimento e progresso, jamais visto na história do País, elevando-o à oitava economia do mundo. Inicialmente, medidas equilibradas de combate à inflação e de desenvolvimento proporcionaram a adoção de taxa de câmbio flexível e a  oferta de crédito a baixo custo às empresas, facilitando o comércio exterior, afastando a recessão e dinamizando a economia. Restabeleceu-se a confiança exterior no País e com isso aumentou-se muito o fluxo de investimentos estrangeiros, possibilitando expressivo desenvolvimento econômico e grande aumento da oferta de empregos. 

31 de março significou estratégica, projeto de Nação e planejamento racional, possibilitando a criação de sólida infra-estrutura, particularmente na área de geração de energia, induzindo ao domínio de tecnologia das mais avançadas, pela engenharia nacional, na construção de barragens e hidroelétricas, estas indispensáveis ao crescimento do parque fabril, transportes, bem-estar e lazer do povo.
31 de março significou Itaipu e Tucuruí  as duas maiores usinas do mundo, Ilha solteira e Jupiá, Furnas, Estreito, Paulo Afonso, Sobradinho e Esperança, mega complexos, traduzindo aumento de mais de 700% da capacidade instalada (4,8 GW em 1963 para 35 GW em 1983), oferecendo energia a baixo custo e abundante. O acordo nuclear com a Alemanha, embora não tivesse atingido a todos os objetivos esperados (oito usinas nucleares), contribuiu para o estabelecimento de sólida base industrial e de pesquisa, o que colaborou, decisivamente, para o domínio de tecnologia de ponta e avanços significativos, entre eles o do enriquecimento do urânio e do reprocessamento de combustível atômico.

31 de março significou o fortalecimento da Petrobrás e o aumento da produção de petróleo em mais de 300% (98 mil barris dia para 340 mil barris dia), além do domínio de tecnologia única como a de perfuração e extração em águas profundas, construção de pólos petroquímicos, refino etc.  

31 de março significou desenvolvimento na área de ciência e tecnologia com a criação e instalação da maior rede de laboratórios e instituições de pesquisas, sendo o Proálcool um dos seus inúmeros subprodutos.

31 de março significou a ampliação da malha rodoviária nacional de 190000km para 75000km, ressaltando-se a construção da Transamazônica. 

31 de março significou a conclusão do Tronco Ferroviário Sul e a melhoria de toda a malha ferroviária nacional. 

31 de março significou a modernização de equipamentos, a construção de pátios para containers, rampas metálicas e a consequente melhoria da operacionalidade dos portos marítimos, fluviais e lacustres. Áreas acostáveis foram recuperadas e aumentadas, a rapidez de atendimento foi privilegiada, novas formas de transportes intermodais e modais foram desenvolvidas. 

31 de março significou Correios reorganizados. Serviços postais confiáveis e rápidos, considerados, na época, padrão de eficiência e qualidade em todo o mundo.

31 de março significou o estabelecimento o estabelecimento de extraordinário e moderno sistema de telecomunicações, até então desconhecido na América Latina.

31 de março significou a integração de diferentes brasis num só Brasil, facilitando o escoamento de riquezas e trânsito.

31 de março significou excelente trabalho no setor de mineração e siderurgia. A produção de aço atingiu a marca de 21 milhões de toneladas, contribuindo para o crescimento industrial. Volta Redonda foi modernizada e foram criadas a Mendes Junior e a Açominas. 

31 de março significou o crescimento de moderna e diversificada base industrial, possibilitando, ao País, até então exportador de produtos agrícolas, pauta de exportação de produtos com valor tecnológico agregado e altos saldos comerciais.

31 de março significou a criação de bancos bem como de superintendências de desenvolvimento regionais, diminuindo desequilíbrios internos, integrando o País e melhorando as condições de vida da população como um todo.

31 de março significou  750.000 casas populares, aquecendo a indústria de construção civil, ofertando empregos e realizando o sonho de milhares de famílias pobres.

31 de março significou a concretização da ponte Rio-Niterói, obra monumental da engenharia nacional.

31 de março significou a instituição do salário educação, do 13º salário, da legalização do direito de greve, da reforma agrária e do estatuto da Terra, minimizando os conflitos fundiários.

31 de março significou o acesso de milhares de brasileiros à universidade, o que era, até então, uma impossibilidade.

31 de março significou reformas e avanços no campo social.

31 de março significou a derrota da guerrilha urbana e rural na década de 70, as quais, mais uma vez, lideradas por marxistas de diversas tendências, queriam impor, ao povo brasileiro, não a democracia como, hoje, falsamente, proclamam, pousando de mártires, mas tão somente uma ditadura policial comunista.

Quanto a este período, são os militares acusados de torturas, de terem matado e prendido milhares de pessoas. São acusados também de terem produzido tempos de escuridão cultural com a vigência da censura.

A verdade é que os mortos, de ambos os lados, não chegaram a trezentos, número infinitamente pequeno para uma luta armada, iniciada pelas organizações comunistas, a qual não se faz com flores e sem excessos.

Se comparado com o que ocorreu durante a revolução conduzida em Cuba pelo ditador Fidel Castro, sumamente admirado pelos atuais e ex-integrantes do primeiro escalão do governo brasileiro, aqui nada aconteceu de relevante. Fidel torturou e matou milhares de pessoas, manteve e mantem presas outras milhares, induzindo milhares de fugas do País. Quanto à censura, esta foi pequena e insuficiente, além de ineficiente.

Como exemplo, em declaração ao Jornal do Brasil, o escritor de novelas para a TV Globo, Dias Gomes, comunista convicto, afirmou que seguia a orientação do PCB ( Partido Comunista Brasileiro ) ao explorar determinados temas em suas novelas de grande sucesso popular. Serviam elas como ferramenta da subversão. Ainda, embora a censura, período algum de nossa história cultural recente mostrou-se tão fecundo na música, no teatro e na literatura como a década de 70.

Esses são alguns dos significados da contrarrevolução de 31 de março de 1964. Porém, o significado maior é que sem ela não teríamos a liberdade de que desfrutamos, atualmente, como país democrático e livre, liberdade da qual se aproveitam os mesmos apátridas de ontem, hoje no poder, para denegrir os verdadeiros patriotas e heróis do passado e para delapidar o patrimônio nacional com o aparelhamento do Estado e  a montagem de esquema de corrupção jamais visto no País.

Entretanto, restam algumas perguntas : como está o Brasil de hoje em comparação com tudo aquilo que foi acima mencionado? 

Como foi o comportamento do nosso PIB nesses últimos anos?
Qual a nossa posição atual entre as maiores economias do mundo?
Quais os índices de crescimento econômico na ultima década?
Qual o valor dos juros atuais?
Como estão as universidades e a rede de pesquisa nacional?
E a nossa infraestrutura: estradas, portos, ferrovias, capacidade de geração, etc...?
E o atendimento às necessidades básicas da população?
E como anda o desemprego e a violência, etc...?
Como anda a autoestima dos brasileiros?
Que projeto de Brasil potência temos?

Respondam os denegridores do 31 de Março, se forem capazes !!!!!
“BRASIL ACIMA DE TUDO”



Documento sem título

 
www.setor3consultoria.com.br
by Orbitaltec