Documento sem título
Documento sem título
  
  
  
  
  
  
  Monarquia
Tire suas dúvidas
Símbolos
Núcleos Municipais
Uniformes Militares
  Agência Monárquica
Notícias
Artigos históricos
Artigos políticos
Agenda monárquica
Colunas
Aniversários
  Biblioteca
Documentos
Livros
Vídeos

 

 

Documento sem título



Notícias

"Que País é este?", um artigo de Theófilo Vandeley

Publicado em: 03/06/2013

Theófilo Vandeley

O Brasil republicano tem uma característica a que os brasileiros se acostumaram sem perceber, que é o fato de não existir situação ruim que não possa piorar, e assim é. Basta vermos a escalada da violência, como nunca antes na história desse país, sob o próspero “governo dos trabalhadores que acabou com a miséria, mas esqueceu de acabar com os subprodutos dela”, ou será que alguém não está dizendo a verdade?

A verdade é que nessa república “democrática” e que foi um “avanço” segundo uns poucos demagogos, a VIDA NÃO VALE NADA, basta o exemplo de uma dentista morrer após ser queimada viva, apenas por não ter dinheiro suficiente para os ladrões levarem, certamente ficaram insatisfeitos pois, o seu “trabalho” não estava sendo reconhecido pela dentista. A um menor de idade foi atribuída a responsabilidade pelo crime. O quê veio a se somar a vários outros crimes de menores infratores, que não hesitam em matar covardemente pessoas inocentes, para roubar objetos tais como relógios, telefones celulares, etc., mesmo que a vítima não reaja. Frente a tais descalabros a sociedade clama por atitudes consistentes para se reverter tal situação, entre eles a redução da idade mínima de responsabilização criminal para 16 anos, e a alteração do Estatuto do Menor para se ampliar o tempo de internação dos menores infratores para no mínimo oito anos, ao invés dos risíveis três anos.  Mas essas exigências da sociedade não têm surtido efeito, onde o governo já se pronunciou contrário a tais alterações. 

Frente a isso, só podemos crer que os membros do governo acham que esses jovens infratores são indivíduos desprovidos de capacidade de discernimento quanto a gravidade de tais atos e, portanto inimputáveis, como no caso recente no Rio de Janeiro, onde um menor de 17 anos assaltou um ônibus e os passageiros, pois precisava de dinheiro para a sua festa de aniversário, e de quebra estuprou uma das passageiras. Pela ótica das “autoridades” ele certamente fez por que nunca explicaram para ele que não se deve roubar nada dos outros e muito menos violar o corpo de seres mais fracos, ou de qualquer outro ser, e que no fundo ele é apenas um carente buscando sanar suas carências. Mas nós monarquistas achamos que essa lógica estúpida do republicanismo brasileiro tem de acabar, e a Revolução Imperial entre outras coisas reduzirá a minoridade penal para 16 anos, e consultará o povo por meio de plebiscito sobre o retorno da pena de morte nos casos dos crimes dolosos contra a vida (revogando-se a curiosa cláusula pétrea que proibiu a pena de morte num país com mais de 50.000 homicídios por ano. 

Uma vez que o crime contra a vida tem implicações diversas, que se estendem por toda uma família e implica o sofrimento de mães, pais, filhos, esposas, maridos, que por uma covardia perderam um ente querido, e o país, pessoas dignas e honestas vítimas de gente que não vale nada e que quer ganhar fácil à custa do trabalho de gente digna, e isso não se pode tolerar. Só se punirá com a pena capital, por enforcamento, os crimes resolvidos cientificamente, onde não houver dúvidas, caso contrário a pena será de prisão perpétua. Outras muitas alterações no campo penal irão  alterar essa farra que existe hoje, com meliantes sendo favorecidos com facilidades de redução de penas, ou seja, a prisão não visa punir o criminoso, ao mesmo tempo que o Estado reconhece que o sistema penal não recupera ninguém, ou seja, quando o certo seria não facilitar a saída do preso já que se tem certeza que ele não foi recuperado, o Estado facilita exatamente o contrário. As penas rígidas para qualquer crime, além de punir terão de servir de exemplo para aqueles que pensarem em viver a margem da lei, para saberem o que esperar quando forem presos, e o muito que terão de lamentar por muito tempo. Só assim o Brasil não mais será o país onde o crime compensa, e essa leniência por parte das autoridades executivas e legislativas com o crime certamente é legislar em causa própria, por razões óbvias.

O Autor luta a vida toda contra uma fraude chamada república brasileira.



Documento sem título

 
www.setor3consultoria.com.br
by Orbitaltec