Documento sem título
Documento sem título
  
  
  
  
  
  
  Monarquia
Tire suas dúvidas
Símbolos
Núcleos Municipais
Uniformes Militares
  Agência Monárquica
Notícias
Artigos históricos
Artigos políticos
Agenda monárquica
Colunas
Aniversários
  Biblioteca
Documentos
Livros
Vídeos

 

 

Documento sem título



Colunas

O pensar e o agir!

Publicado em: 15/09/2011

O exercício do pensar para agir é uma grande virtude que deve estar entre as qualidades de todos os monarquistas. O País pede, hoje mais do que nunca, que façamos isso com mais frequência. Passamos por um período difícil, com as instituições sendo agredidas todos os dias, das formas mais vis possíveis. Para um monarquistas é doloroso ver que muitas das conquistas do Império Brasileiro são desrespeitadas pela República que, há mais de cem anos, não conseguiu nos apresentar uma nação estável, fundamentalmente democrática, e justa. O golpe de 1889 ainda está vivo. O golpe ainda persiste e o receio de que um Brasil verdadeiro, aquele sonhado e instalado por D. Pedro II, retorne é grande. Basta ver o quanto os símbolos monarquistas são distorcidos e o quanto os nossos grandes líderes do império são retratados de forma equivocada. Importante recordar uma passagem do livro «O Ocaso do Império», de Oliveira Viana, sobre o grande D.Pedro II:

«Disse-se que o Imperador, por fim, acabou cedendo também
neste ponto à ambição insaciável dos políticos e passou a escolher os senadores nas listas tríplices segundo a indicação dos presidentes do Conselho; mas, se assim foi, ele cedeu com esta transigência lamentável o que havia de mais liberal na bela faculdade que lhe fora outorgada pela Constituição. Num país como o nosso, onde o espírito de partidarismo é tão vivaz e absorvente que homens da respeitabilidade e do prestígio
nacional de Zacarias não coravam de descer a mesquinhas manobras de politicagem contra os adversários, só a Coroa, fora dos partidos e das vicissitudes eleitorais, pela imparcialidade da sua visão alta e larga, no uso da bela prerrogativa constitucional, seria capaz de impedir que o mérito, o talento, a cultura fossem sacrificados à habitual intolerância e ao desdém dos nossos mandões politicantes, trouxessem eles os galões
ridículos de broncos coronéis de aldeia ou ostentassem o chapéu de
bico e o fardão vistoso de ministros da Coroa».

É hora de pensar e agir!




Comendador Antonyo da Cruz


Presidente do IBI -

Instituto Brasil Imperial









Documento sem título

 
www.setor3consultoria.com.br
by Orbitaltec