Documento sem título
Documento sem título
  
  
  
  
  
  
  Monarquia
Tire suas dúvidas
Símbolos
Núcleos Municipais
Uniformes Militares
  Agência Monárquica
Notícias
Artigos históricos
Artigos políticos
Agenda monárquica
Colunas
Aniversários
  Biblioteca
Documentos
Livros
Vídeos

 

 

Documento sem título



Colunas

O mais insuportável dos anacronismos

Publicado em: 05/07/2011

Edvaldo F. Esquivel
Baiano, jornalista e estudioso
da monarquia brasileira


Uns dizem que a restauração da Monarquia-Parlamentarista no Brasil é uma causa perdida. Será? Outros, porém, retrucam lembrando que as grandes causas impossíveis foram justamente as que fizeram avançar a Humanidade! De quebra, a assertiva de que a História sempre foi uma associada do progresso das nações e por isto alimenta esse sonho íntimo dos brasileiros de ter um rei de volta. Um sonho que não está no presente e sim no futuro. É dele que o Brasil  de hoje mais precisa. Temos um regime republicano-presidencialista que nunca conseguiu se encontrar com o seu futuro de  grande nação. Parece até uma praga. Mas, se considerarmos as circunstâncias nada civilizadas da implantação da república entre nós, logo teremos a resposta: golpe de estado. A nação parece perdida, em que pesem os avanços democráticos das últimas décadas. Interessante é que repudiam tanto o golpe militar de 1964, que derrubou João Goulart e convenientemente esquecem o de 15 de novembro de 1889.   

Ali estava o começo de todos os desacertos institucionais. Só que nos dias de hoje, ainda, causa espanto falar-se de Monarquia no Brasil. Por quê? Por falta de conhecimento histórico. Falta daquelas informações básicas - e sem deformações - que faltaram às diversas gerações de brasileiros nas escolas. Que se estudem então o Brasil Império.  O Plebiscito de 93, após 25 anos de regime-militar, fez o povo dançar. Ninguém sabia, ao certo, o que era Monarquia!  O ranço da escravidão permeou, como se não tivesse sido a república responsável por um novo tipo de escravidão: a miséria. E o povo lá, embasbacado, tateando o voto no futuro do Brasil. Não deu outra, boa parte do eleitorado votou errado. Pelé mais uma vez estava certo. Aliás, na história deste país o que mais teve foi eleição equivocada. A pátria é amada. E é verdade que um rei a defende sobre todas as coisas. Triste é ver pessoas esclarecidas, independente de ideologias, com posições político-partidárias firmes, fugir de questão inadiável como é a volta do regime monárquico-parlamentarista. Ora, bolas! Desvaneçam-se os tabus. Chegou o momento de ousar, de pensar forte e livre, de perder o “complexo do esquerdismo”. Sim. Ele constrange, faz lembrar a guilhotina, na França; os fuzilamentos na Rússia. E daí? As revoluções se autodevoram mesmo...   O importante é arejar as idéias. Nada de temer o novo.

Sem pejo de apoiar – ou sequer discutir – a volta da Monarquia ao Brasil. Bobagem. Temos o exemplo da Espanha! Do rei Juan Carlos I! Da democracia monárquica construída sobre o sepulcro do franquismo. Uma coisa tem a ver com a outra. No Brasil atual, falar de monarquia é simples, minha gente!  É como falar de futebol. De Bahia e Vitória. Os argumentos estão nas ruas, campos e construções. É só ter a História na mão e a certeza na mente. Faça-se a discussão salutar da volta às nossas origens. E nós fomos uma nação monárquica. O que muitos fingem ignorar, e isto sempre me pareceu irônico, porquanto o país ficou independente de Portugal em 7 de setembro de 1822 e D. Pedro I fundou o Brasil Império. Não há nada de absurdo!  E muito menos de anacrônico. Por sinal, recorro a esta última palavra porque ela foi usada recentemente por um jornalista da televisão para justificar o seu espanto. Sim.

Pude ouvi-la durante a transmissão do casamento do príncipe William com Catharine Midlleton, os duque e duquesa de Cambridge.  Diante da dificuldade de aceitar – ou mesmo compreender – que um país tão desenvolvido como a Inglaterra ainda viva sob uma monarquia constitucional, o jornalista preferiu taxar  esse regime de “anacrônico”.  Ele simplesmente esqueceu que nos dias de hoje as democracias mais sólidas -  e avançadas -  do mundo estão nos países de Monarquia-Parlamentarista. As exceções são raras. Muito engraçado. Sempre há um momento em que aparece alguém, que gosta de criticar os Estados Unidos – e seu imperialismo – para citar precisamente este país como exemplo de república-presidencialista! Bravo. Mas esquece as republiquetas, que tanto maculam o conceito de Democracia. Vale lembrar aqui, inclusive, um dos slogans da campanha do Plebiscito de 1993: “Coroe a Democracia! Vote no Parlamentarismo-Monárquico”. Assim, à luz dos novos tempos, felizmente, a monarquia nada tem anacrônica. Anacrônica é a fome, que assola boa parte dos países de regime republicano-presidencialista! E como já disse o poeta baiano, “gente é pra brilhar, não pra morrer de fome...”!


Documento sem título

 
www.setor3consultoria.com.br
by Orbitaltec